Mais notícias

Geral | 05/12/2016 | 10:52

Contas de 2013 do prefeito Nelson Guindani irão a nova votação no dia 15 de dezembro

Foto: Divulgação


 

Herval d’ Oeste – Na sessão desta sexta-feira (02), o relator da Comissão de Finanças do Legislativo vereador Juarez de Souza (PMDB), fez a leitura em plenário da nova avaliação sobre o relatório que rejeitou as contas de 2013 do prefeito Nelson Guindani. O parecer da comissão é novamente pela rejeição. Juarez comentou sobre a reorganização e definição do rito de defesa do prefeito Nelson Guindani, e que possivelmente será levado a votação na próxima sessão ordinária do dia 15.

                           O presidente do Legislativo municipal Adelar Provenci- Kiko- (PR) fez questão de deixar claro que as contas irão novamente a votação no dia 15 deste mês. “ O prazo final para que o prefeito Nelson Guindani apresente a defesa encerrou no dia 30 de novembro e com a apresentação ou não da sua defesa a votação vai ocorrer”.

                            Kiko destacou que em 2012 com um índice de 56% com a folha de pagamento, ultrapassando cerca de 2%, o Tribunal de Contas recomendou a rejeição, já em 2013 com um índice de quase 62% recomendou a aprovação. “Em relação as contas de 2012 contrariamos o parecer do TCE e votamos pela aprovação para que assim darmos a oportunidade de o Executivo tomar medidas mudando a situação, cortando gastos, mas ele não o fez, 2013 foi ainda pior”.

Relembre

As contas do prefeito Nelson Guindani, relativas ao exercício de 2013, foram rejeitadas na sessão do dia 11 de julho por maioria, nove votos favoráveis e dois contrários. Na época a Comissão de Finanças, entendeu que apesar do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ter recomendado a aprovação, as restrições impostas pelo próprio TCE são gravíssimas, entre as quais o limite prudencial com pagamento da folha dos servidores que é de 54% e chegou a quase  62%. A comissão recomendou a rejeição e o Legislativo acatou. O prefeito Nelson Guindani entrou com um mandado de segurança e a Justiça determinou que ele tivesse direito a defesa. Em função disso o Decreto Legislativo que rejeitou as contas foi revogado e agora a Casa aguarda a manifestação do prefeito para colocar a matéria novamente em votação.

Fonte: Da Assessoria de Imprensa/Joce Pereira
Comente